domingo, março 08, 2009

Não soube SER...

deperto.

(foto de BlueShell)



Hoje…o Hoje tinha sabor
A décadas, a uma idade sem Tempo, sem dor…

O Hoje tinha, naquele dia
O odor da alegria de um parto feliz!
E foi, no nascer, nessa hora
Que o Céu se abriu e quis,
Por querer, …essa criança em si acolher.

Mas …o Hoje tem sabor a tela
Que se pinta sem cor e dela
Ficará a memória
Do que não foi,
Não soube ser,
Não pôde ser…por isso o hoje…

…o Hoje tinha sabor
A décadas, a uma idade sem Tempo, sem dor…



( ...dia do meu aniversário...)

7 comentários:

José Miguel Gomes disse...

Parabéns, porque todos os dias celebras Ser.

Fica bem,
Miguel

Amaral disse...

Um poema grande e profundo!
Cruza o tempo como faca afiada... e esculta uma vida que conhece o porquê da Vida.
Criança e mãe são a pintura que reconhece o sentimento que marca um dia especial...

entremares disse...

Hoje ?
O que é o hoje ?
Suponho que um tremendo engano, ou o oitavo dia da criação...
O hoje não se sente, a memória só guarda o passado, os sonhos só fabricam o futuro... e no entanto, vivemos presos a um Hoje, com esse sabor do poema.
Amanhã, também ele será... passado.

BC disse...

Maravilhoso e dramático ao mesmo tempo!!!
Vai aparecendo.
Beijo
Isabel

Su disse...

jocas maradas de ser.sempre

ponto azul disse...

Olá minha querida!Apesar de "ausente" eu não me esqueci...do teu dia!Beijinhos grandes e tudo de bom para a tua vida!Parabéns :)

happiness...moreorless disse...

Então Parabéns, quer pelo aniversário, como pelo poema bonito =)