quinta-feira, julho 27, 2006

Eu Não Sabia o Quanto Te Pedia...

Vi1

(foto de BlueShell)

Nada mais te pedi senão todo o teu amor...
Agora... sei o quanto te pedia...

Mas nesse dia eu não sabia...
E disse-te que de ti nada mais queria...
Como se não fosse já imenso o que pedia!

E o amor, esse, não está em nós dá-lo ou quitá-lo...
Simplesmente...acontece...
Mas nesse dia não me apercebi
Do quanto te pedi...
Porquê?...Porque em mim esse amor por ti
Tamanho é que me transtorna e me enlouquece!

Nada mais te pedi senão todo o teu amor...
Agora sei o quanto te pedia...
(...)
Mas nesse dia eu não sabia...
E disse-te que de ti nada mais queria...
Como se não fosse já imenso o que pedia!

Vi2

(foto de BlueShell)


[este poema é dedicado a uma pessoa que me é muito querida...uma pessoa íntegra, cujo amor me tem sido sustento de vida...]

45 comentários:

Angel disse...

é bom sentirmo nos amadas.
E amar é algo tão maravilhoso.
* * *

IsaMar disse...

o amor é bonito mas dificil de entender

Nilson Barcelli disse...

Gostei das tuas palavras.
Gostei de ver o teu amor de pés assentes no chão, mais segura de ti.
Mais parecida com a saudosa Blueshell que há anos conheci. Dois ou três? Como o tempo passa cara amiga...

Beijos.

kikas disse...

O amor não se pede, não se exige, não se troca... O amor sente-se e dá-se, apenas e somente.

≈♥ Nadir ♥≈ disse...

Lindo... muito mesmo.
beijos e bom fim de semana

Luna disse...

Amor palavra intensa que move o mundo, nos arrebata ou lança contra o precipicio
beijocas

DE PROPOSITO disse...

Um poema que expressa uma forma de sentir.
Fica bem.
Um beijinho para ti.
Manuel

Daniela Mann disse...

Muito bonito e intenso!
Beijinhos da Daniela

Isaac disse...

Quantas vezes exigimos sacrificíos sem que ao menos nos apercebamos...
Teus versos me fazem refletir nesse suplício...

CMatos disse...

Todos assim amassemos e fossemos amados, e o mundo seria mais belo!

Beijinhos e
Bom fim de semana.

Desassossego disse...

Amar...deixar-se amar... de facto é muito mais do que uma palavra... e por vezes o Amor é tanto... muito mais que nós...
Xi bom fim de semana...

anrasaxa disse...

lindo

pitanga disse...

Quem ama assim tem todo o direito de pedir e receber.
beijos Pitanga

Anónimo disse...

Há tempo que não vinha por aqui, já tinha saudades destes belos poemas.

João Norte

intro.vertido.weblog.com.pt

Amir disse...

O que pedes é tão simples e, no entanto, tão complicado... acarreta o mundo. O teu. E o outro... pois pede, também tu o dás...

Musician disse...

Docemente lindo este teu poema!
Beijinho grande*

miosotis disse...

Mt bonito esse teu estado de alma!

bjs

MARCOS LOURES disse...

A alma feminina
Chegara há pouco naquela cidadezinha perdida nas matas das Gerais.
Médico recém formado, dono dos invejáveis vinte e cinco anos de idade; época da vida em que se é rei e não se percebe.
Fora contratado para trabalhar no Programa de Saúde da Família, trabalharia na zona rural, num pequeno distrito longínquo da sede do município.
Nos primeiros dias, a notícia de que havia um jovem doutor se espalhou pela cidade, alvoroçando o coração da moças casadoiras e namoradeiras do lugar.
Extasiado com tanto assédio, começou a ter o prazer de ser bajulado e cortejado por todos na pequena cidade.
Feio não era, até pelo contrário, mas era tímido. Muito tímido por sinal.
E isso o impedira de ter tido as experiências com o sexo oposto comuns à sua idade e a “posição social” que atingira, de repente.
Família pobre, estudando com todas as dificuldades que são lugares comuns nesse país das injustiças, conseguira se formar com muito sacrifício de todos, inclusive dele.
No Rio de Janeiro, enquanto seus colegas saíam à noite, nas baladas cariocas, ele ficava em casa estudando ou dando plantões e mais plantões para ajudar a pagar a faculdade.
Mulheres? Não as teve, exceto uma ou outra namorada que, ao perceberem que o namoro se resumiria a um cinema no final da tarde ou um refrigerante na porta da faculdade, rapidamente iam “cantar em outra freguesia”.
Uma das coisas que o médico do Programa de Saúde da Família tem que fazer são as visitas domiciliares.
Normalmente, na zona rural, a realidade é muito diversa da que estão acostumados os urbanos doutores.
A simplicidade e a pobreza são lugar comum; mas a recepção com um cafezinho ou com a fruta da época são freqüentes. Café com guarapa, como é conhecido o caldo de cana nesses grotões.
Um bolo de fubá aparece, não se sabe como e é degustado com prazer verdadeiro e risonho.
Naquela região não era diferente, o que passou a dar ao nosso doutorzinho, uma nova dimensão de felicidade.
Numa das casas, morava uma senhora viúva com seus quatro filhos, dois meninos e duas meninas.
Maria Inês e Maria da Glória, duas meninas típicas da roça.
A mais velha, Maria Inês, com seus dezoito anos era mais tímida, escondida sobre uma mão que ocultava os dentes precocementes estragados e o sorriso doce da ingenuidade.
Mas quem chamava a atenção era Glorinha, menina ainda com seus catorze anos mal completados.
A primeira vez que a vira, reparara que ela não o olhava, sempre olhando para baixo.
A roupa de chita rasgada, mal ocultava os seios recém nascidos e rijos, seios que chamaram a sua atenção...
Os pés descalços, cheios de “bichos de pé”, diagnosticados como tungíase pelo doutor, os cabelos sujos e desalinhados contrastavam com os seios, belos seios emergindo por entre os rasgões do vestido.
Terminada a visita, o doutor retornou ao seu trabalho e à sua casa.
Nem mais se recordava da menina nem dos seios quando, um mês depois, foi comunicado de que iria retornar àquela casa.
Tudo como antes, tudo, as mesmas deficiências de vitaminas, a mesma miséria, a mesma ausência de tudo, o mesmo chão de terra batida, com os mesmos colchões e os mesmos cães dividindo o espaço com os habitantes da casa.
A única diferença que repara foi na mochila escolar esfarrapada que, a menina, enrubescida, usava por sobre o ombro direito...
Mal sabia ele que esse era o único enfeite que ela dispunha...

CMatos disse...

No outro dia esqueci de dizer:
Como são belos e já raros os locais como os das fotos, aqui por estas bandas. Outrora montes e vales cobertos por essa espessa cabeleira de pinheiro bravo deu lugar à, tão na moda, cabeça rapada. Que pena...

Cacau disse...

:)


passei com o intuito de matar saudades.

Deixo-te um beijo

Barão da Tróia II disse...

Lindo. Boa semana

rouxinol de Bernardim disse...

Um amor assim é puro como o ar dos pinheirais! Gosto de mulheres que sabem ser gratas a quem lhes dá Amor!

DE PROPOSITO disse...

Vim espreitar, e apreciei as fotos, as quais me transmitiram tranquilidade.
Um beijinho para ti.
Manuel

Secreta disse...

Um pedido dificil que pode nunca chegar a ser satisfeito ... Mas entendo-o perfeitamente, porque quando amamos alguém , nada mais conseguimos fazer que não seja pedir que essa pessoa nos ame também!
Beijito.

Um Poema disse...

Belo!
Terna mas espantosa homenagem.
Um abraço

an ordinary girl disse...

Não é dedicado a mim, e comoveu-me tanto...
Um beijo

maresia_mar disse...

Olá
Amar e ser amado o que todos queremos, afinal, nem sempre fácil, o caminho é tortuoso por vezes mas vale a pena.. O teu poema é lindo e deixa-nos a pensar.. bjhs e boa semana

Bruno António disse...

Bem... obrigado por me dedicares o poema... LOL...

1oo2 beijos...

meialua disse...

:)

Um beijo com carinho*

Estrela do mar disse...

...conchinha estava a ler este teu belo poema...e tive a sensação que estava a ler uma letra de uma música...é impressionante a força que dás às palavras...amei!...

Jinhosssssssss

Diogo Ribeiro disse...

Palavras intensas e bonitas, gostei.

Abraços!

Ant disse...

Com paixão. Sente-se que foi com uma paixão intensa e real que escreveste.
"Mas nesse dia eu não sabia...
E disse-te que de ti nada mais queria...
Como se não fosse já imenso o que pedia!"
Vai lá vai...

Beijos

Ivan disse...

Tenho estado quase assim! Me lembrou do meu último texto.

lazuli disse...

já tinha saudades, e que belo poema escreveste!

beijos

mitro disse...

...acho que ele vai gostar!

Ofeliazinha disse...

Belo e verdadeiro. Abraço.

Å®t_Øf_£övë disse...

Simplesmente lindo!!!!
Retive esta frase que tanto me diz:
"E o amor, esse, não está em nós dá-lo ou quitá-lo... Simplesmente... acontece...".
Bjs.
Bem verdade...

Lmatta disse...

Lindas fotos
gostei
beijos

≈♥ Nadir ♥≈ disse...

Blue,
Hj entrei sem bater, e de "fones" nos ouvidos, fui ficando e sorrindo...
Desfolhei as tuas páginas... recordei... e deliciei-me com as imagens...
:)
Porque há musicas e momentos que me fazem sorrir... sonhar... faz mal?...
Hoje voei nas tuas asas, nas tuas imagens, nas tuas palavras, na musica que me fez flutuar...
Hoje sorri :)
Beijos grandes

desire e your shell disse...

sabes pedir...gostei

beijinhos

desire

Princesa disse...

Minha concha...
E quanto não vale uma entrega de amor?
Não tem preço, não...

Beijinhos
Princesa

João ao Lado do Mar disse...

O amor sente se...
Um amor único verdadeiro e puro esses sim vale a pena viver...
poucos o sentem e vivem...
Que esse amor tenha de retorno :)
vou de férias blueshell :)
Um beijinho e até setembro :)
continua a sorrir :)

Estrela do mar disse...

...passei para te deixar um jinhooooo e desejar um bfs...

maresia_mar disse...

Bom fds.. deixo-te um beijo com sabor a maresia

Crónicas de Ariana disse...

Lindo...
Fotos interessantes...