segunda-feira, fevereiro 25, 2008

VENTRE

ventre

(foto de BlueShell)

Sobrevivo carregando no ventre
A esperança vã de algo superior a mim….
O que quero, o que desejo…
Deus o sabe…
Triste, levo os dias como quem carrega
A Cruz …só…sem ajuda de ninguém…
Sobrevivo carregando no ventre
O filho que nunca terei
A espera de quem desespera e sente
O Tempo passar…e a morte chegar!

17 comentários:

Daniela Mann disse...

Triste, mas lindo...
Beijinhos

peciscas disse...

Ás vezes, a amargura que trespassa grande parte dos teus textos, deixa-me mudo.Porque queria, de algum modo contribuir para alterar estes sentimentos, mas, sinto-me ineficaz. É algo que, neste momento, reflecte o teu estado de espírito.
Mas, as coisas não hão-de permanecer sempre assim!

Maria disse...

Muito intenso, muito bonito, muito triste...
Preferia que carregasses contigo, no ventre ou nas mãos, a esperança de dias outros que tu mesma construirás....

Beijo

Daniel Aladiah disse...

Querida Blue Shell
Doeu... e muito! Que é isso de carregar um filho que não nascerá? Não sei se os tens ou ainda podes ter... mas tudo tem uma justificação, que importa revelar...
Deixo-te uma festa no rosto, pois este assunto mexe demasiado comigo.
Um beijo
Daniel

Terreiro disse...

O Grupo Cultural e Recreativo de Santo Amaro de Azurara vai proceder ao lançamento do mais recente livro do Dr. António Luís Marques Tavares, colaborador deste Jornal, cujo título é “Sepulturas escavadas na rocha nas Freguesias de Cunha Baixa e Espinho - contributos para A História da Alta Idade Média numa micro-região”.

A obra será lançada nas instalações do GCR de Santo Amaro de Azurara no próximo dia 2 de Março de 2008, pelas 15.30H, contando com a presença de diversas individualidades culturais e intelectuais de Mangualde e do país.
O GCR e o autor da obra contam consigo neste acto cultural.

José Miguel Gomes disse...

Forte. Gostei. Tal como da fotografia :)

Fica bem,
Miguel

joão oliveira disse...

Ola Blueshell.

As letras que se escrevem são parte de nós e é por elas que nos damos a conhecer.

Bonito e sentido.

wiLey_Lewis disse...

Um texto sentido e muito bem escrito.
A fotografia é muito bonita como sempre.
Bj

Sandra Daniela disse...

Poema triste, intenso!... Envolvente...


um beijo

Estrela do mar disse...

Foi aqui que encomendaram?

|““““““““““““““““““““““““||_
|...............*AMOR*...........|||“|““__
|________________ _ |||_|___|)
!(@)“(@)““““**!(@)(@)***!(@)““

|““““““““““““““““““““““““||_
|............*CARINHO*.........|||“|““_
|________________ _ |||_|___|)
!(@)“(@)““““**!(@)(@)***!(@)““

|““““““““““““““““““““““““||_
|............*ALEGRIA*.........|||“|““__
|________________ _ |||_|___|)
!(@)“(@)““““**!(@)(@)***!(@)““

|““““““““““““““““““““““““||_
|............*AMIZADE*.........|||“|““_
|________________ _ |||_|___|)
!(@)“(@)““““**!(@)(@)***!(@)““

|““““““““““““““““““““““““||_
|........*FELICIDADE*.......|||“|““__
|________________ _ |||_|___|)
!(@)“(@)““““**!(@)(@)***!(@)

Entrega feita!
Participa na campanha FAZ UM AMIGO FELIZ!!!
Manda esta encomenda p/ todos os teus amigos.
Espero estar incluído nessa lista........
Vou fazer outra entrega ...fuiiiiiiiiiiii

Mikael disse...

Tinha saudades dos teus textos.. agora já me lembro porquê.

Å®t Øf £övë disse...

BlueShell,
Palavras muito bonitas, mas ao mesmo tempo muito tristes. Parecem ser bem verdadeiras, e escritas cheias de sentimento.
Bjo.

Poesia Portuguesa disse...

Triste e cheio de significados...
Espero que estejas bem...

Deixo um abraço carinhoso ;)

maresia_mar disse...

ola
embora triste não deixa de ter beleza.. Gosto de te ler,pena o tempo não me chegar nem para visitar os meus amigos.. Bjhs e bom fds

Peter disse...

Tanta tristeza...
Que é feito da "conchinha" que eu "apadrinhei", quando se iniciou nas lides dos Fóruns do SAPO?

DE-PROPOSITO disse...

Um poema, definindo uma mensagem. Utilizando a sabedoria popular, direi: 'Quem espera, desespera'. Mas há outro: 'Quem espera, sempre alcança'.
Desejo que fiques bem.
E a felicidade 'possível' por aí.
Manuel

Nilson Barcelli disse...

Tem calma... a morte está a chegar para todos que estão vivos...
Todos carregamos no ventre várias coisas que não teremos. E isso não é caso para desesperar...
Escreves bem e este poema é um exemplo disso mesmo. Mas é negativo, pessimista. Que saudade eu tenho do que escrevias há uns 3 anos atrás...
"Então... quem sou eu, unidade de carbono irremediavelmente limitada em todos os aspectos, para ousar sequer traçar o percurso do minuto seguinte? Porque tenho esta mania de me iludir pensando que podia fazer, ou agir, num futuro que desconheço e que não me pertence?
Oh...presunção...vaidade...estupidez natural de quem se julga mais que Deus..."



Beijinhos.