terça-feira, janeiro 06, 2009

Mão cheia de nada...

aviagem2.

(foto de BlueShell)



Queria poder fugir de tudo…de todos…de mim!
Tenho o peito ferido de palavras que não ouso proferir…
E além disso ninguém há que me possa ouvir, ou entender.
Antes morrer…que enlouquecer!
Fugir…andar sem rumo, sem destino…
Procurar nas entranhas da terra
O aconchego já merecido…
O cansaço é tanto, já…
E perdão não há para quem erra!
Tenho o peito ferido de sentir tão intensamente
Tudo quanto é proibido ser sonhado…
E lentamente faço essa viagem rumo ao esquecimento…
…e num momento…tudo foi uma mão cheia de vida…
Que deixei passar por mim…sem ter amado!

6 comentários:

Maria disse...

Podemos fugir de tudo e de todos, menos de nós, Blueshell. E tu sabes...
Espero que seja um estado de espírito que passe depressa... estou por aqui...

Abraço-te

Isa disse...

Querida,tanto desalento!
Quem dera que se aplicasse o verso de Fernando Pessoa: "O Poeta é um fingidor..."
Beijo.
isa.

maresia_mar disse...

Olá

às vezes também me apetece fugir de tudo e de todos,mesmo de mim! Felizmente costuma passar depressa! espero que no teu caso também!
Beijos e bom ano

Pitanga Doce disse...

Se esta foto é o lugar que eu penso que é, vale a pena sentar-te num fim de tarde, mesmo no Inverno, e esperar que os pássaros aninhem-se debaixo dos beirais.

É uma paz inexplicável!

beijos, Blueshell, e anda ver e ouvir as borboletas na árvore.

O Pi@d@s disse...

Há muitos meses (anos?) que não passava pelo teu Blog, e continuo a ficar impressionado com afacilidade que tens de transformar sentimentos em poesia!

Parabéns conchinha azul...!

Um abraço d'O Piadas

mar disse...

Shiuu..... menina bonita, sossega esse teu coração......
Ainda ha tempo, tempo para fazer mtas das coisas q querias fazer e não fizeste.......

beijinhos e um sorriso