segunda-feira, maio 09, 2005

Nem sempre é preciso compreender...

compre
(foto de BlueShell)

Lentamente arrastava-se pelas ruas quase desertas da cidade. Os sons chegavam até ele distorcidos...em forma de Não-Ser. Queria tanto...tinha tão pouco. Afinal...queria tão pouco...do pouco que para muitos nada seria!
Superara-se a si próprio em ilusões: recordar o passado, uma casa cheia de filhos e vida e risos e trabalho.
Via-se agora só, sem rumo nem razão de viver. Os seus passos pesavam no chão...ou seriam os anos?

Tinha o “farrusco”, rafeiro velho agora, companheiro de há muito, esse sim, fiel. Também ele triste como se dos animais chegasse algum entendimento...também ele ao lado do dono sentia a solidão. Pior seria se não tivesse o dono....Mas ele estava ali, dava-lhe das suas poucas sopas de pão molhado num pingo de leite e ambos dormiam nessa velha casa sem janelas que convidava o vento frio e húmido a entrar no quarto e nos ossos. Mas onde iria ele sem o seu dono? E o seu dono...que faria sem ele? Sentia que lhe era preciso... Por isso também persistia em o acompanhar a todo o lado....sem perceber, no entanto, aquelas marchas....e aquela gritaria - “Amanhã anda a roda; é a Sorte Grande!”...Mas a sorte não era grande...nem para António nem para o farrusco!

Um dia, como em outros dias, tão sempre iguais... o despertador tocou. Farrusco sabia que aquele som significava porem-se a caminho. Mas António não se ergueu! Farrusco espreguiçou-se, bocejou longamente...virou os olhos baços e lânguidos para o dono e não compreendeu. António continuava a dormir. Aninhou-se e esperou. Mas a espera desespera até um pobre cão! Deitou as patas dianteiras à cama e cheirou o dono. Mas António permaneceu imóvel debaixo do fino cobertor de cor cinza. Farrusco não compreendia!...mas não precisava compreender: ganiu e deitou-se aos pés da cama como fazia à noite quando era para dormir. António não mais acordou....e “farrusco” foi encontrado morto, ali mesmo, aos pés da cama,... morto pela fome e pela solidão.

57 comentários:

whiteball disse...

Ninguém te perguntou nada...ora essa!!!

Além disso este post está muito grande...é chato de se ler...

WB do MOCHO

Mitsou disse...

Beijinho enorme, conchinha linda!

musqueteira disse...

Até a morte eles partilham...Eles, os nossos fieis- os animais.
Que vida...esta.

Incompetente disse...

Agora apostamos na diversidade, é?

Quem conta um conto...
Pelo desfecho, este fica mesmo por aqui. Mataste os protagonistas!

Abraço!

JMTeles da Silva disse...

Conchinha, tás munta tétrica caraças. Esta mania tão portuguesa das tristezas e do fado, dos coitadinhos e das lágrimas, que diabo! Devemos ser os primeiro da Óropa em litros de humor aquoso per capita.
Bjocas.

O Micróbio disse...

Este é um post pesado e que nos põe quase durante uma hora sem vontade nenhuma de esboçar um sorriso... :-(

Nilson Barcelli disse...

Gostei da tua história, embora triste.
Na minha história de hoje também há mortos (que coincidência).
Já desvendei o mistério da chuva (malandreca). Foi mais dífícil porque a cor dela é inusitada (pelo menos para mim). Muito embora, a partir de agora, tabém passe a ser minha irmã (como eu sou bonzinho...).
Beijo***

Nilson Barcelli disse...

PS:
O coiso novo não é para mexer.
Quando estiver pronto eu mostro-to.
Beijo***

AlmaAzul disse...

...estamos sempre a fugir da realidade que nos rodeia. Foi bom encara-la. Muito bem escrito. :)

Elvira disse...

Já estava com saudades deste sítio encantador... Um abraço.

Maria Heli disse...

Gostei.
E Farrusco fez-me lembrar Farrusca. Uma gata que também morreu. Mas de velha que estava.

Ms Crow disse...

Olá minha querida.
Apenas para desejar uma boa semana.
Jokas grandes

Ms Crow

Angela disse...

Que história comovente. E que bem descrita a fidelidade canina.

H. disse...

lindo :)
q história mais ternurenta *

erü disse...

Olá conchinha azul:)
Tenho um pedido de desculpas... tenho andado muito desligado. Daqui e do meu lado negro. E tu fartas-te de ir lá, deixas sempre qualquer coisa... obrigado pela força:)
Gostei imenso deste conto (o conto é decididamente o meu género literário), apesar de ser triste. As histórias não têm de acabar bem. Têm é de ter conteúdo, sentido, uma mensagem que seja um mundo, por pequenino que seja. E este teu tem tudo isso e mais uma coisa: sentimento.
Beijinho doce e obrigado:)

Filipa disse...

Olá Blueshell! :)

Desde já agradeço a tua visita pelo meu cantinho... e pela partilha... não há palavras... não há nada que te possa dizer que melhore... que o traga de novo... infelizmente somos humanos e não temos esse poder... não podemos fazer esse truque mágico... mas podemos agarrar-nos às belas recordações, aos belos momentos... sim, o toque, o cheiro, o olhar fazem muitaaaaa falta... o abraçar... mas temos o sorriso, o brilho dos olhos... eu tento-me agarrar a essas recordações... e tento pensar que foi uma viagem que eles foram fazer... e que me fazem companhia no meu interior, no meu coraçãozinho...

Sobre este teu post... 1º devo elogiar a tua forma de escrever... gostei muito pois levas-me a reflectir... levas-me a pensar nas minhas próprias interpretações... o teu post leva-nos a deambular na nossa própria sujectividade, e eu gosto muito disso... era algo que gostaria de cultivar, que gostaria de desenvolver... sinto que a minha escrita é clara de mais, objectiva de mais... gostava de poder ter este teu poder, de dar um certo mistério...
os teus leitores têm razão, é um post um pouco triste... sem dúvida... mas a escrita desenrola-se tão mais facilmente nesses momentos...
a morte faz muita confusão a qualquer ser humano que sinta desejo em viver intensamente, que ame a vida...
eu, como me situo?
não a aceito... produz em mim sentimentos extremos, desde tristeza a raiva... a um sentimento de grande nostalgia...

mas o teu post diz tantoooo... a amizade, a solidariedade dos animais... os nossos verdadeiros amigos... independentemente da nossa idade, do nosso sexo, da nossa condição económica eles estão sempre presentes... eles estão sempre dispostos a amar-nos...


já falei de mais... acredita que ficaria a escrever, a escrever e a escrever...

Muitos parabéns pelo post :)

Voltarei :)
Beijinhos

wind disse...

Triste, muito triste esta situação que é infelizmente verídica:((( beijos

Avô Kimera disse...

Gosto de ler estorias...
E esta está muito bonita!

Veridica? espero que não...

AS disse...

Os animais, quando são fiéis, levam a fidelidade até ao extremo. Uma história bem contada, ao teu jeito...

Beijokas

Daniel Aladiah disse...

Querida Blue Shell
Que triste...
Um beijo
Daniel

lima disse...

Farrusco e António não morreram. Encontraram-se no sono e não quiseram acordar mais. Para quê?

JPD disse...

Olá BShell

Os animais quando se dedicam, afeiçoam-se de uma maneira extraordinária.
Viste a notícia de um salvamento por um cão de um bebé abandonado?
O animal puxou o saco onde a criança foi colocada e levou-a para junto das crias, para cuidar dela também.
Admirável.
Bjs

Anjo Do Sol disse...

O texto traz 2 tristezas - a solidão de dois seres que, enquanto se tiveram um ao outro não estavam sós, mas que demonstram a cegueira do mundo restante.
E a tristeza de saber que há seres humanos capazes de abandonar e maltratar os seus animais, sem se aperceberem que nunca terão um ser que lhes será tão fiel.
Bjitos, Blue

SaltaPocinhas disse...

Lindo conto, comovente e verdadeiro...os animais são assim.
Venho agradecer-te a visita aos Golfinhos:eles vibram com os comentários!
Se hoje ainda tiver tempo vou lá pôr uma foto para "os adultos" adivinharem...

António disse...

Não sei onde te inspiraste para nos presentear com esta história que mostra, mais uma vez, como sabes usar as palavras, não só para exprimir sentimentos, mas também para caracterizar personagens.
Ahh...dizia que que não sei onde te inspiraste...mas eu já tive notícia de casos como este, que realmente aconteceram.
Jinhos

Pharaoh disse...

olá! ,,,é bem verdade, todos guardamos dentro de nós enclausurado um pouco de farrusco e de antónio,,,criamos cada grade á imagem que de nós tanto nos custa a pôr sequer em causa,,,adorei,,,jnhs

Rah disse...

muito forte seu texto.. me tocou...

margarida_rr disse...

Pois...para os menos sensíveis, este post é "chato de ler" e "mto extenso".Para os outros, é uma de tantas histórias que acontecem por aí, longe dos nossos olhares. É ainda,na minha modesta opinião,uma pequena homenagem, aqueles que são nossos amigos fieis, na vida, e na morte! Beijinhos, Blue!

Carla disse...

Que texto tão triste :( Como diz o Carlos, é impossível ter vontade de sorrir, para mais porque sabemos que nem sempre estas histórias são ficção. Há quem morra de fome, solidão, desalento... e por vezes há um Farrusco, companheiro fiel até ao fim. Beijo grande, Blue querida.

Micas disse...

Triste mas bonito. O teu servidor anda em guerra comigo!!!nunca me deixa comentar :( beijinho

Adryka disse...

Infelizmente essa é a verdadeira morte e a verdadeira vida da pobreza escondida, o cão é mesmo assim fiel e leal até á morte,pena é que muitos humanos não sigam o seu exemplo.Parabens pela triste ist´ria que contas-te.Beijo

Espectro #999 disse...

Genial e delicioso   •   há muito que não lia nada que me prendesse tanto.

Beijocas e inté.

augustoM disse...

Shell, agora é a prosa, não está nada mal. António e farrusco continuaram juntoso no seu destino, nem a morte os separou.
Um beijo. Augusto

folhasdemim disse...

Um conto bem contado. Triste mas bonito. Pela cumplicidade e amizade. Beijinhos, Betty :)

gato_escaldado disse...

muito bem escrito. embora deteste "fidelidades" caninas. (mas que outra coisa a esperar de gato?!). beijo

paperl life disse...

Passo a le-te e a deixar-te um beijinho elo prazer que me dás.

:)

M

Anónimo disse...

Tristemente ternurento... Pela ordem natural das coisas o meu farrusco partirá antes de mim, só não sei como será vê-lo partir...

(7even)

peciscas disse...

História triste, mas infelizmente bem real!

Já agora, quem quiser saber o que são as ervas juju e para que servem, passe lá pela minha loja!

Carmem L Vilanova disse...

Minha linda!
Tua historinha está bastante triste... desejo que te sintas mais alegrinha para traduzir isto em tuas palavras, sempre tao belas... :)
Muitos beijinhos!

Anónimo disse...

História comovente e muito bem escrita, querida Blue Shell. E dentre os animais, os cães são os que oferecem os mais lindos testemunhos de amizade e fidelidade. Fiquei feliz com a tua visita...beijos.
~~Nuvem~~
http://www.nuvensquepassam.blogger.com.br

António disse...

Respondeste à minha pergunta, sim senhora.
E por isso, aqui estou para te agradecer com uma beijoca repenicada.

António disse...

Já agora!
Podias ter posto outro nome ao homenzinho da tua história...eh eh
Jinhos

Vasco Salles disse...

Uma história verdadeira, e a verdade ultrapassa sempre a ficção, é intensa e dramática a existência de muitas pessoas. E os cães são seres extraodinários, aceitam e acarinham os donos sem limites... Vou-te contar: Tenho um amigo, que tem cães e cavalos e antes de se ir deitar vai sempre despedir-se deles, Os cães saltam lambem-no, nas mãos, fazem uma festaça, e os cavalos à sua maneira também, ficam todos contentes com as festas e afagos do dono. Mas, ao Sábado se chega a casa com um copo a mais, os cavalos apercebem-se e dão-lhe para trás afastam-se, negam os seus afectos, sentem-se desconfiados.... Enquanto que os cães que, (eu digo que também se apercebem) fazem a mesmissima festaça e brincam ainda mais porque percebem que ele está mais disponivel para brincar, não sei, entram na onda do dono e não o largam. :-)
Beijinhos Blue

rajodoas disse...

Com que então a amiga lamenta-se que não
aparecemos. No entanto só neste post os comentários registando uma enchente já vão quase na meia centena. Entretanto fazes gazeta aos outros. Beijinhos do Raul

kamarrad disse...

é lindo, continua no bom camniho tu estas lá

bjs

Amaral disse...

Um familiar meu tinha um cão, desde que o cão nasceu, e eram muito amigos. Quando esse familiar morreu há uns anos, o cão começou a ficar triste, andava dum lado pró outro, e gania baixinho.
Não saía do quarto do dono, deitava-se sobre as pantufas, e ali ficava, horas e horas.
Não me lembro ao certo, mas creio que o cão acabou por morrer, de tão tristonho que andava.
Por isso, a tua história é mais uma história da vida "real", da vida de todos os dias, dos homens e dos animais…

H2O disse...

Farrusco não compreendeu o que se estava apassar,eu também não compreendo a vida,porque é que a vida nos prega tantas partidas? Ele partilhou tudo com o seu fiel e leal amigo,até a morte.E nós somos capaz de partilhar uma migalha de pão com quem mais precisa?com esta história fizeste-me chorar. beijinho

alfinete de peito disse...

Tocante, especialmente porque amamos cães e gostamos muito de pessoas.

Caramba, mexeu mesmo!

Beijocas, e mais uma vez (como sempre aliás) deixas-nos a pensar na vida. Obrigado ;)

Temos dito

Mercador e Grizo

AS disse...

B.Shell, obrigado pelo teu carinho. Um beijo de boa noite para ti...

Insano disse...

Vi seu link em outro espaço, resolvi
entrar. Seu blog é bem cuidado, os
posts são bons. Meu sítio, está a
disposição. Noite boa!

Gabriel disse...

Clarce Lispector disse algo sobre isso, mas eu nao me lembro. Lembro de Drummond: Viver ultrapassa todo o entendimento. Ou é da Clarice mesmo. Fiz uma confusão dos diabos!...
Beijos

TMara disse...

assim é! Os animais-outros k connosco vivem e tudo partilham partilham muitas vezes a morte. Impossibilidade de viver depois, certamnete será. Quem nada tem tudo patilha + facilmente, ao k parece. até o não-existir.Conheci muitos casos assim. comoventes e dolorosos. Boa semana. bj grande

meialua disse...

Deixo-te um beijo*

Vênus disse...

BShell
Passei para deixar-te um beijo e desejar-te um ótimo dia...Espero que estejas bem.

Menina_marota disse...

Olá, conchinha...

A tua história arrancou-me uma lagrimita. E, sabes porquê?

Porque esta história, podia ser a história verdadeira de amigos, que acompanharam os seus donos para o outro lado da Vida!

Sabes, conheci um caso, do género e, não foi ficção!

Um pastor alemão, cujo dono, amigo do meu avô, tinha falecido, foi encontrado morto na sua campa, uma semana depois de ele ter falecido. Disseram que ele morreu de saudades...

A vida não se faz, só de coisas alegres e felizes...

Uma história que acredito, pode ser verdadeira e muito bem contada.

Parabéns. Gostei muito.

Um abraço terno

Johannes Sebastian Rozen disse...

Texto muitíssimo interessante.

Não foi acaso dessa vez, mas foi muito bom!

António disse...

Então tens um tio Tone como eu?
O meu é (era) o já famoso "camurso".
eh eh
Jinhos