segunda-feira, dezembro 13, 2004

Esta é grande...vai demorar a ler...hehehe


teia

(foto de Pedro Aguilar)


Saí cedo. A casa pesava-me e a rua parecia oferecer paz, pelo menos, àquela hora.
Ruas quase desertas, candeeiros ainda acesos faziam concorrência às montras das lojas enfeitadas com luzinhas natalícias. De vez em quando, das árvores que ladeavam o passeio, caía uma ou outra gota de chuva; eram gotas já cansadas na tentativa de se manterem penduradas num galho. O ar era frio, cortante. Mas despertava-me os sentidos que, entorpecidos, se viam agora confrontados com sensações sôfregas de serem sentidas...era o cheiro da erva molhada, o doce aroma de pão acabadinho de sair do forno de uma pastelaria ali perto...E o céu, esse, espreitava-me lá do alto, por entre os telhados dos prédios da cidade adormecida! Parecia-me ter a cidade só para mim! E súbito, larguei a correr pelo passeio, depois pela relva do jardim, como criança solta em rebelde liberdade, sem medos, sem “vergonhas”, sem me importar com o facto de “parecer mal”...corri, feliz! Quando parei toda eu me ria. Arfando, ergui os braços como maratonista que corta a meta e tem certa a vitória. Nuvens de vapor se formavam enquanto eu respirava, e eu já não sentia frio. E ri mais ainda quando reparei que, comigo, tinham corrido, quatro cães vadios...quase meus rivais a cortar a meta. – “ Ai é? Quereis mais? Quereis brincadeira...seus malcomportados. Então vamos a mais uma corridinha, só p’ra tirar teimas!” – E os meus olhos viam já o jardim municipal, tão arranjadinho, tão bem tratado, e cheio de sebes, perfeitos obstáculos de uma pista imaginária , prontos a serem vencidos de um salto só. (Embora saltar me incomodasse um pouco pois fazia-me doer os seios,...sempre assim fora...). Assobiei chamando os cachorros mas...sem saber como, uma enorme mão, vinda de uma manga azul, estacionara no meu antebraço esquerdo. Segui a manga com o olhar e...lá no cimo do pescoço estava uma cara, muito séria, com um boné, ou isso, na cabeça!
- “A senhora sabe que é proibido pisar a relva dos jardins?”
- Bom dia, Sr. Polícia...Guarda?...Agente...Hummm, peço desculpa...foram os cães” – menti. – “andava a espantar os cães que estavam por aqui a rebolar-se e a estragar o relvado e a urinar nos troncos dos arbustos, percebe?”
Olhámo-nos como quem se quer digladiar. Iria ele acreditar? “É Guarda...mas não é necessariamente burro”, pensei. E no entretanto eu admirava a farda, tão azul com botões tão bem polidos...
Os candeeiros já se haviam apagado. Os cães já ladravam longe, aqueles estupores...que nem para sustentar uma mentira serviam, os traidores! Talvez desiludidos comigo que não cumprira o desafio que lhes propusera...já quase não se viam.
- “ Já viu que está encharcada? É melhor ir para casa, mudar de roupa ou vai apanhar uma valente gripe!” (pensei que ele dissera ou vai apanhar 2 dias de cadeia)! Tenha um bom dia, minha senhora.”
Virou costas, rápido e firme, e deixou-me ali, no meio do jardim, estarrecida! Claro que ele não acreditara! Vira-lho nos olhos. Mas também não se irritara, não me estragara o dia ; pelo contrário: pactuara com a mentira e com a minha infantil atitude. E sorrira...ao olhar para trás, já a alguns metros do local...do crime, sorrira para mim de uma forma sensualmente cúmplice. Não sabia o nome dele pois não havia lido com atenção a placa no peito dele.
E ali estava eu...num dia de frio, cheia de calor...e apaixonada, sim deveras apaixonada por um agente da Guarda Nacional Republicana...

18 comentários:

azurara disse...

Minha Senhora,
Não. Não recolhi em intrspecção.
Apenas fiquei um pouco obnubilado com aquela inventona do residente de alguns portugueses, se é que me entende.
Quanto à tontura que sofreu aquando da visita que fez, tenha cuidado. É que pode ser um problema de te(n)são!
Seu
Azurara

Abrigo disse...

Ola Blue Shell...amiga!!
Grande historia, mas nos os dois adoramos ler, e lemos tudinho até ao fim!!
MAS de klker modo, nao tem um fim, keremos saber o k acontece á senhora enxarcada!!! ;P
Abraços Nossos

Águas de Março disse...

:)) Realmente já não se pode confiar nos "melhores amigos do homem", por qualquer coisa nos trocam!
Achei o texto uma delícia, BlueS., um optimo exercício para começar bem o dia!
Beijinho,
Ana Maria

azurara disse...

Minha Senhora,
Tendes razão uma vez mais.
De facto, "comi" um "o" e um "p". Bom, mas a frase do "residente..." ficou gira.
Seu
Azurara

wind disse...

É bom correr à chuva e voltar a ser criança:) bjs

azurara disse...

Minha Senhora,
Não me tomais a sério.
Claro que li toda a vossa prosa: a insónia matinal, a casa "pesada", o passeio madrugador, os cães (só não percebi se eram vossos ou vadios), os jarfins bens cuidados, o arfar da corrida, até ao GNR jeitoso que vos deixou rendida.
Li tudo, claro.
Mas, quando se trata de GNR's ficou perdido. Aqui na minha terra há dois - os Carvalhos - que não me perdoam qualquer deslize. Agora até mentem!
Assim, para mim, GNR's uns Carvalhos.
Vai daí não ter comentado.

Seu
Azurara

Nilson Barcelli disse...

Adorei ler o teu texto. Inventada ou verdadeira, a tua história revela que ainda há, felizmente, uma criança dentro de ti.
A minha história de ontem (já leste?) também fala de um GNR. Mas ninguém se apaixona por ele como tu...
Beijinhos e boas corridas matinais.

Luna disse...

é grande sim...mas com a tua musica ao fundo..e tudo o q escreves te é um maravilhoso prazer de começo de dia...
é fantástico correr á chuva tanto com descalça por cima da relva num maravilhoso dia de Verão. Se voltares a encontrar o GNR dá lhe um beijo por mim. Beijos

O Micróbio disse...

Apaixonas-te facilmente, rapariga! Aposto que vais voltar ao parque... :-))

erü disse...

bem... eu já sabia que tinhas imenso jeito para a poesia... e surpreendeste-me com a prosa! Tens aqui um conto muito giro. Adorei a descrição. Em que te baseaste? É "real", ou puro devaneio da imaginação..? Beijos

Anónimo disse...

Espectro #999 diz ...

Blueshell, temo dizer que sim senhora, é grande como avisaste, e no entanto peca por falta de mais, tal a forma como descreves situações reais da vida, ou não.
Estou a gostar de te ler cada vez mais. Agora tens mais responsabilidades, portanto.
Beijocas e inté.

A.Mello-Alter disse...

História necessáriamente inventada.As nossas cidades não são assim.Os nossos jardins não são assim.Os nossos polícias não são assim.
Salvam-se os cães vadios e a tua fértil imaginação

ps:Para a próxima avisa.Eu visto-me de polícia e...

Vera Cymbron disse...

Gostei muito deste texto...confesso que ri-me com a situação descrita. Os guardas são mesmo uns amores, não são?! E como nessa situação, são capazes de compactuarem com coisas muito piores.
jinhos

hamy-pros-friends disse...

por pouco pensei que era o teu namorado... eh eh...

mfc disse...

A maior parte dos agentes é simpática.
E este então pelo que contas...mas não faz muito o meu género...obviamente.
Preferia uma agente!

cantadeira disse...

Não me detive no facto de se ter apaixonado por um GNR. isso é um detalhe de somenos importancia, face à qualidade da ESCRITA que está patente no seu texto. A sua capacidade narrativa, o dar atenção ao pormenor, a correnteza literária, faz-me pensar que um dia, poderei ler um romance, cuja autora, será alguem ,que um dia, via internet, se auto intitulou de BLUESHELL.
Parabens.
E um abraço
Valéria Mendez, do blog
fadista-valeria-mendez.weblog.com.pt

Seila disse...

DELICIOSO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!uma gota dessas que é vida e gente !!!! delicioso!!!! Um grande beijo que eu adoro fazer dessas apenas em vez de me doerem os peitos (eheheheh essa é um mimo!!!) pesa-me o cu e a idade!!! mas do resto faço tudo ou parecido e volto a dizer, Blue, à falta de melhor termo, DELICIOSO!!!!!!!!!

sibylla disse...

Já era para ter cá vindo, blue. Mas não tenho tido tempo. Foi hoje. E dou logo com este lindo conto. Tão bem escrito, menina. Fiquei cativa! Vou dar mais uma voltinha pelo teu cantinho. Até já :-o).
Bjo terno e semana feliz