sábado, dezembro 25, 2004

Voz das Beiras - on line (excerto do Editorial)

...
" (...)O Natal é sobretudo a festa da família, pese embora a degradação da mesma, por força da tal Sociedade doente, quase moribunda.
Cristo a ter existido nasceu num dia qualquer. E se de alguma forma o comemoramos, faça-se então Natal todos os dias.
O olhar distante tem forçosamente de se transformar num olhar atento, fraterno, amigo, um olhar sem medo, um olhar nos olhos do outro, do nosso semelhante. Não lhes demos indignidades sob a forma de esmolas; demos-lhes alternativas, dignidade e o ombro amigo que fará a diferença entre a ignorância pura e a existência decente.(...)"
http://www.vozdasbeiras.com/index.asp?idEdicao=83
Por A. Pinto Correia


soeu

(foto de José Manuel Gonçalves)


Um texto, bem conseguido e expressivo, ao qual eu não me atrevo a acrescentar nada e cuja leitura, na íntegra, se aconselha.

30 comentários:

Anónimo disse...

Acho que dps desse texto...nem sei que dizei...esper que passes um santo natal..Um beijo doce MissLadyMystery

Anónimo disse...

Gostei muito muito das tuas palavras. Parabens pelo teu blog. Beijinho*

Anónimo disse...

...Gostei do seu blog e muito ;)Parabens.
Qt a visita no nosso Koiso Xis. ummm pois quem nos embalará??? Beiju*

Aromas Do Mar disse...

É de facto dificil acrescentar algo a este texto belissimo.
Obrigada pelas tuas palavras lá no meu canto.
Tudo de bom para ti, o melhor!
Beijo grande

Mordente disse...

Quanta verdade, num texto tão simples e tão complexo...
Servirá de meditação a todos nós. Quem o escreveu ...sábio é, certamente!
Adoro-te, Concha azul.

SalsolaKali disse...

Só gostava de saber em que altura é que a família foi realmente família e desde quando é que ela se começou a degradar. Quando é que por, pelo menos uma vez, houve uma noção e uma prática de família verdadeiramente virtuosa?
Quando é que por, pelo menos uma vez, houve uma sociedade sã? Qual foi a sociedade mais sã até hoje? Como é que se quantifica ou qualifica uma coisa dessas? (…)

A família é o que realmente fazemos dela, e sempre assim foi. É qualquer coisa individual, vivida de forma diferente em cada e por cada um de nós. A sociedade sempre foi doente, apesar da face ter mudado muitas vezes.
O que é que cada um de nós tem feito para mudar alguma coisa desta “sociedade doente quase moribunda”? É fácil escrever não é? Indignarmo-nos? Mas isso muda o quê?
Nada!

amita disse...

Venho dar-te os parabéns pelo excelente glog, tanto a nível de poesia como de prosa, assim como retribuir-te os votos de continuação de Boas Festas. Que em 2005 se realize tudo o que mais ambicionas. Bjinhos

rajodoas disse...

Uma grande verdade só que como cita o poeta "Natal é quando um homem quizer", por vezes nem no próprio dia
ele quer que seja Natal. Por isso os sentimentos das pessoas cada vez mais se degradam.

Luna disse...

É BS tudo o que se possa acrescentar podia eventualmente estragar. Continuação de boa estadia...para a semana vou eu :)

polittikus disse...

Belas são as tuas palavras.... Adorei.FELIZ ANO NOVO.

Anónimo disse...

Grato amiga e vizinha BS.
O meu beijo

SalsolaKali disse...

Uma vez que nem sempre somos interpretados como queríamos que fossemos, refaço o minha última mensagem deixada neste espaço, e refiro-me à questão essencial:
Parece-me que nunca a sociedade foi sã, e na verdade, eu gostaria de facto de saber em que época é que supostamente existiu a “Família Virtuosa”, a máxima de família que todos aspiramos.
Que eu saiba não existiu, e se existiu, desfaçam a minha ignorância, por favor.
O que sempre existiu foi uma ideia de sociedade e família virtuosa.
Isto para chegar a uma questão essencial: o que quer que queiramos mudar, tem de começar em NÓS, para com os outros. Não podemos ficar à espera que os outros (sociedade) mudem, porque colectivamente, não mudam. Se quisermos uma mudança, a melhor hipótese de a conseguir é começar por nós.
Parece utópico? Não é!

Escrever é fácil, passar ao actos é mais difícil, porque exige sacrifício, e um remar contra uma maré que quase ninguém consegue suportar ao fim de uns meses, porque se vê pouco no imediato e grande parte das vezes, por cada passo em frente, recuamos dois.
O natal poderia ser todos os dias. Mas as pessoas só se lembram do natal para com os desgraçadinhos e da Família duas semanas antes do dia 25 de Dezembro, de preferência com uma câmara de TV às costas, ou com um grande presente nas mãos, dos mais caros que houver para não ficar atrás de ninguém. Estes são os valores de hoje.
Se eu quiser uma família com outros valores, tenho de começar pela minha, e não pela dos outros, e não é escrevendo ou apregoando um projecto de família, mas CONCRETIZANDO o projecto da nossa. Um pouco como uma cadeia. Se eu educar quatro, estes quatro educarão outros quatro e dada um deles…
Esta é a minha verdade e aquilo em que acredito, uma verdade de poucas palavras e uma mão cheia de vontade e pequenos actos continuados para com os “desgraçados” que a sociedade torna literalmente doentes.
E quem tiver telhados de vidro que atire a primeira pedra. Eu não!

Já agora, e por fim, não tenho nada, absolutamente nada, contra a mensagem que a BlueShell nos deixou aqui nem tão pouco - muito menos - contra o jornal. Não pretendi ofender ninguém nem sequer dirigir-me ao autor nem à fonte. A minha mensagem foi mal escrita dando azo a interpretações indesejáveis.
Quanto à que está aqui publicada é uma excelente mensagem de natal, como tantas outras que se lêem nos jornais pelo mundo fora.

Desculpa-me BlueShell este abuso, mas tinha de esclarecer uma ideia.
E peço desculpa a quem quer que tenha ofendido.
As minhas sinceras desculpas.
SK

Anónimo disse...

De facto também eu não me atrevo a acrescentar nada a este texto. Uma excelente escolha.
Obrigada tmabém pelas palavras no meu blog.
Beijos
Eliwitch
www.livrodemagoas.blogdrive.com

Luís Miguel disse...

Subscrevo por completo o post e seus comentários acima colocados. E especialmente para ti BShell, uma óptima quadra festiva e um 2005 fan-tás-ti-co! E os anjos que desejas que me embalem o meu sono sejam os mesmos a embalar/embelezar a tua vida que se deseja terna e eterna. Beijinho....

lique disse...

Já tinha lido o artigo e concordo quase na totalidade. Mas venho sobretudo agradecer-te os teus votos esperando que o teu Natal tenha sido repleto de paz e amor. Espero que 2005 te traga tudo o que desejas. Beijinhos

Seila disse...

só um beijinho, Blue!

Kabum disse...

Bom texto sem duvida...

mfc disse...

Mas porque é que só se fala de Natal nesta época?
Esse espírito naõ é para todo o ano??!

Viajante disse...

O texto fez-me lembrar uma expressão de que a caridade não é necessária, apenas e mais justiça... aliás, equidade.
Festas felizes, Blue Shell. E que se faça fraterno cada dia.

Anónimo disse...

De passagem pelo blog do amigo Espectro, vi o convite pra ver teu texto, e não pude resistir a vir vê-lo, tem razão quando finalizou, que não se atrevia a finalizar, ele realmente diz o que o verdadeiro espírito de Natal deveria ser...
Boa semana pra vc e um ótimo início de 2005
Jorgeti
http://fotolog.terra.com.br/jorlua

JR disse...

Ora essa. Que suposição errada foi a tua de presumir que eu não iria gostar do teu blog!? Eu até dou uns toques foleiros na poesia (mas só inda consigo dar 3). E um bem haja para ti por teres avisado as boas gentes da minha existência. Não que eu o mereçesse, e isso só me faz dar-te um bem haja ainda maior. Manterei o meu olho atento sobre ti.

Anónimo disse...

Bulbucus ibisFeliz Natal... lindas palavras e belíssimas imagens...

wind disse...

Concordo:)

Vera Cymbron disse...

Faço minhas as tuas palavras...muito bom...para todos!
Jinhos

Anónimo disse...

Espectro #999 diz ...

BlueShell [...] realmente belo e perturbador é este texto.
Tinhas razão ao me mandar vir cá lê-lo.
Mas essa é a minha ideia desde os princípios da minha razoabilidade. Gostei de ver que também tu és adepta do Natal todos os dias.
Beijocas e inté.

augustoM disse...

Olá Blue,um bom Ano Novo com a concretização de todos os teus sonhos.
Quanto ao texto, sem dúvida um bonito apelo à fraternidade entre os homens.
Mas sou muito radical e apetecia-me escrever um texto, demonstrando que o Natal não é aquilo que é desejado no texto, mas uma coisa, na minha opinião, muito contrária à fraternidade. Mas não vou escrever, fica para outra oportunidade e por agora respeito a crónica da Voz das Beiras.
Um beijo. Augusto

Anónimo disse...

Realmente o Natal é muito bonito mas pode ser todos os dias realmente. Bonito assim como este blog, parabéns.
Ofeliazinha
www.ofeliazinha.weblog.com.pt

Araponga disse...

Simplesmente: Feliz Natal!

Litostive disse...

Parece que me atrasei na mensagem de Natal, mas ficam os votos de um Feliz 2005.
Beijo
Litostive
(e obrigada pela visita...*)

hamy-pros-friends disse...

tudo se passa num ram-ram rotineiro e habituamo-nos à desgraça, a ver a dor dos outros quase impávidos... e só quando nos toca é que vemos que não deveria ser assim; valha-nos a realidade de que nem todos são assim